ORIENTAÇÕES E METODOLOGIA NO CAMPO DE EXPERIÊNCIA E ESTÉTICA DA INTERAÇÃO

PROF. DR. GUILHERME RANOYA

1

WWW.SLIDES.COM/RANOYA/PPGDESIGN/LIVE

ORIENTAÇÕES E METODOLOGIA PARA PESQUISAS NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

SUMÁRIO

PERFIL E CAMPO DE PESQUISA

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

OBJETOS E MÉTODOS

REFERÊNCIAS

1

PERFIL E CAMPO DE PESQUISA

1

1

PERFIL E CAMPO DE PESQUISA

ESFORÇO PARA RE-CENTRAR A PRÁTICA CIENTÍFICA NA UNIVERSIDADE

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

1

ENSINO "SUPERIOR" SE TORNOU ENSINO TÉCNICO COM GRIFE

QUAL A FUNÇÃO DO ENSINO "SUPERIOR"?
QUAL A DIFERENÇA ENTRE UMA FACULDADE E UM CURSO LIVRE, OU TÉCNICO?

WIENER KREIS
1922-1936

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

1

KARL POPPER

LUDWIG WITTGENSTEIN

POSITIVISMO /
EMPIRISMO
LÓGICO

IDENTIFICAÇÃO DOS LIMITES DA CIÊNCIA NA RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM E O SABER / REALIDADE

RACIONALISMO CRÍTICO
SABER CIENTÍFICO É REFUTÁVEL

CIÊNCIA:
SABER VERIFICÁVEL E/OU COMPROVÁVEL

PORQUÊ DO RIGOR CIENTÍFICO?

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

1

QUANDO A CIÊNCIA É BEM FEITA...

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

A REGRA MAIS IMPORTANTE PARA A CIÊNCIA:

VOCÊ NÃO PODE ESTAR ABSOLUTAMENTE CERTO

MAS VOCÊ PODE ESTAR COMPLETAMENTE ERRADO

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

NÃO DEVEMOS CONFIAR NAQUILO QUE ACHAMOS QUE SABEMOS (POPPER)

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

O QUE A CIÊNCIA DIZ?

1

O QUE DIZ O SENSO COMUM?

O QUE DIZ O MERCADO?

VISÕES DIFERENTES

NO TRABALHO CIENTÍFICO PREVALESCE O QUE A CIÊNCIA DIZ

SUMARIAMENTE IGNORADO

SEM QUALQUER VALIDADE

TRATADO COM CETICISMO ABSOLUTO

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

SE TEMOS QUE ABANDONAR NOSSAS CRENÇAS E PRESUNÇÕES, POR ONDE COMEÇAMOS?

TEORIAS SÃO PRINCÍPIOS E MODELOS TESTADOS E AVERIGUADOS QUE NOS EXPLICAM BOA PARTE DE COMO AS COISAS FUNCIONAM.

GRANDE PARTE DO TRABALHO CIENTÍFICO SE DEDICA A CONSTRUÇÃO DE TEORIAS, PARA QUE SEJA POSSÍVEL COMPREENDER OS FENÔMENOS SEM USAR A SUPOSIÇÃO, OPINIÃO, OU A INTERPRETAÇÃO INDIVIDUAL.

A TEORIA NÃO NOS DÁ UMA RESPOSTA SOBRE O NOSSO PROBLEMA, MAS EXPLICA COMO AS COISAS FUNCIONAM NAQUILO EM QUE ELE ESTÁ CIRCUNSCRITO

TEORIA

TEORIA

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

EM CONTATO COM ANTÍGENOS, O CORPO REAGE E PRODUZ ANTICORPOS ESPECÍFICOS PARA COMBATER CADA TIPO DE DOENÇA; A ANÁLISE DOS ANTICORPOS NO SANGUE PODE AJUDAR A IDENTIFICAR A DOENÇA

TEORIA

PARA DESCOBRIR QUAL DOENÇA O AFLIGE, O MÉDICO SOLICITARÁ UM EXAME DE SANGUE PARA IDENFICIAR A DOENÇA

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

UM MÉDICO RECEBE UMA PESSOA DOENTE

ELE DEVE CURAR O PACIENTE OU TRATAR A DOENÇA

O PACIENTE APRESENTA SEUS SINTOMAS

OS SINTOMAS SÃO COMUNS A MUITAS DOENÇAS CONHECIDAS E O MÉDICO NÃO TEM COMO SABER QUAL A DOENÇA, E PORTANTO, QUAL O TRATAMENTO DEVE REALIZAR

OBJETIVO

OBJETO

PROBLEMA

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

"PROFESSOR...
QUERO FAZER UMA PESQUISA PARA MOSTRAR QUE OS JOGOS INDUZEM À DISTRAÇÃO.
VOCÊ PODE ME ORIENTAR?"

MAS QUAL O PROBLEMA?
SE VOCÊ NÃO SABE QUAL É O PROBLEMA PARA O QUAL IRÁ DAR UMA RESPOSTA, COMO JÁ PODE SABER QUAL É A RESPOSTA???

PODEM HAVER OUTRAS RESPOSTAS PARA UM PROBLEMA, ALÉM DAQUILO QUE VOCÊ IMAGINA DE INÍCIO. NÃO IMPONHA UMA DETERMINAÇÃO ANTES DE CONHECER PROFUNDAMENTE O PROBLEMA COM O QUAL ESTÁ TENTANDO LIDAR

POSSO ORIENTAR... INCLUSIVE ORIENTO PROJETOS QUE NÃO SÃO NA ÁREA DIGITAL, SE FOR ESSA A NECESSIDADE INVESTIGATIVA. MAS COMEÇAR O PROCESSO DO JEITO ERRADO SÓ VAI FAZER VOCÊ PERDER MUITO TEMPO, PRINCIPALMENTE COM UM ORIENTADOR RIGOROSO.

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

QUAIS AS CONTRIBUIÇÕES QUE CADA PROCEDIMENTO METODOLÓGICO SENDO APLICADO TÊM PARA NOS APROXIMAR DOS OBJETIVOS ESTABELECIDOS?

PORQUÊ DE CADA PROCEDIMENTO METODOLÓGICO?

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

1

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

INTRODUÇÃO

REFERENCIAL TEÓRICO

DISCUSSÃO

​CONCLUSÃO

1

ARGUMENTAÇÃO

INTRODUÇÃO
 

EXPLICAÇÃO E JUSTIFICATIVA DO PROBLEMA A SER PESQUISADO, ENQUADRAMENTO DAS QUESTÕES, CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA, PROCESSO DE PESQUISA E PROCEDIMENTOS
(BASICAMENTE, SEU PROJETO DE PESQUISA)

FUNDAMENTOS UTILIZADOS, PROCEDIMENTO REALIZADO, DISCUSSÃO TEÓRICA E ANÁLISE ENVOLVIDAS
CONCLUSÃO PARCIAL

[IDÉM]

IDÉM

REUNIÃO DAS CONCLUSÕES PARCIAIS E SÍNTESE DE UM PARECER/CONCLUSÃO FINAL

RETOMADA DA PROMESSA INICIAL DO PROJETO DE PESQUISA E AVALIAÇÃO SOBRE O QUE FOI PROMETIDO E O QUE FOI CUMPRIDO PELA PESQUISA

DEMARCAÇÃO DE POSICIONAMENTO FUNDAMENTADO PELOS RESULTADOS DA PESQUISA FRENTE À HIPÓTESE PROPOSTA INICIALMENTE

SOBRE O RIGOR CIENTÍFICO

PROCEDIMENTO

[PROCEDIMENTO]

PROCEDIMENTO

CONCLUSÃO

ESTRESSAR OS CONCEITOS

OBJETOS E MÉTODOS

1

QUAIS SÃO OS OBJETIVOS DESTA INVESTIGAÇÃO?

NO QUÊ ELA CONTRIBUI AO SABER DO DESIGN?

SUBSÍDIOS CONCEITUAIS E FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE OS MECANISMOS SIMBÓLICO-AFETIVOS POTENCIALMENTE ÚTEIS PARA A PRÁTICA PROJETUAL

1

RESULTADOS ESPERADOS:

OBJETOS E MÉTODOS

DE QUE FORMAS OS ARTEFATOS CONSTROEM SENTIDOS EM SEU USO, OU NA SUA RELAÇÃO COM AS PESSOAS?

FASCINAM
VICIAM
SEDUZEM
EMOCIONAM
PROVOCAM PRAZER
INCITAM CRIATIVIDADE
PRODUZEM IMERSÃO

1

INTERESSA ESTUDAR ARTEFATOS QUE:

OBJETOS E MÉTODOS

ONDE PROCURAR FUNDAMENTOS?

ESTADOS DE "FLOW"

1

FRENTES SENDO INVESTIGADAS:

                       OS ESTUDOS INICIADOS PELO PSICÓLOGO
                       MIHALY CSIKSZENTIMIHALYI (1994) SOBRE A TEORIA DO "FLOW", UM ESTADO MENTAL ALTAMENTE FOCADO E DENSAMENTE INTERLIGADO COM O SENTIMENTO DE FELICIDADE E O EXERCÍCIO DA CRIATIVIDADE, CONTINUAM SE PROVANDO UMA FONTE RICA PARA O ENTENDIMENTO DOS EFEITOS DAS EMOÇÕES NA MENTE E NA PSIQUÊ HUMANA

REGIME ESTÉTICO, ONTOLOGIA E SUBJETIVIDADE

                       
                       COMPREENDER O SER HUMANO E SEU ÍNTIMO É ASPECTO INEVITÁVEL SE O OBJETO DE ESTUDO É SUA RELAÇÃO COM AS EMOÇÕES. PARECE INEVITÁVEL APROXIMAR ESTAS QUESTÕES AO SABER LIGADO AO PROJETAR E À PRÁTICA PROJETUAL

ESTUDOS SOBRE ATENÇÃO

                       O CONCEITO DE "MINDFULLNESS", QUE PODE
                       SER TRADUZIDO COMO UMA IDÉIA DE PRESENTIFICAÇÃO ATENTA E A CAPACIDADE DE CENTRAMENTO DO SUJEITO, PARECEM OPORTUNAS E CONSISTENTES COM O QUE ESTÁ EM JOGO AQUI, UMA VEZ QUE A DISPERSÃO E FRAGMENTAÇÃO DA ATENÇÃO DILACERAM NOSSA EXPERIÊNCIA E A CONSEQÜÊNTE PRODUÇÃO DE SENTIDO

LUDICIDADE E ENTRETENIMENTO

                       
                       O ENTRETENIMENTO ESTÁ SEMPRE ASSOCIADO À PRODUÇÃO DE PRAZER, E É IGUALMENTE CAPAZ DE ESTIMULAR NOSSA SENSIBILIDADE DE VARIADAS FORMAS

OBJETOS E MÉTODOS

NEUROCIÊNCIA, COGNIÇÃO E EMOÇÃO

                       ESTUDOS DE STEVEN PINKER SOBRE A LINGUAGEM, DE ANTÔNIO DAMÁSIO SOBRE A CONSCIÊNCIA E O PAPEL DAS EMOÇÕES NA MENTE, OU MESMO DE DON NORMAN SOBRE OS EFEITOS DA EMOÇÃO NA MANEIRA COMO NOS APROPRIAMOS DAS COISAS.

TRAJETO DA PESQUISA

2013

1

                       ASSOCIAÇÃO DAS QUESTÕES E PROBLEMAS ENCONTRADOS NOS CURSOS DE MODA E DE DESIGN DIGITAL EM UM ESFORÇO CONJUNTO DE PESQUISA

PESQUISA REJEITADA PELO GRUPO DE DESIGN E PROJETO, MAS ACEITA PELO GRUPO DE PESQUISA EM TECNOLOGIAS APLICADAS.

INGRESSO NO LABORATÓRIO DE PESQUISA EM AMBIENTES INTERATIVOS (LPAI)

2017-2019

                       METODOLOGICAMENTE, O TRABALHO DE PESQUISA PASSOU A BUSCAR O ENTENDIMENTO DESTAS QUESTÕES EM CAMPOS DISTINTOS AO DESIGN (NEUROCIÊNCIA, PSICOLOGIA, FILOSOFIA), E OS ARTEFATOS PREVIAMENTE MAPEADOS PASSARAM A SER CLASSIFICADOS (TAXONOMIA) QUANTO A SEUS ASPECTOS EMOCIONAIS

OS RESULTADOS ESPERADOS PASSARAM A SER FUNDAMENTOS E CONCEITOS QUE ORIENTEM O TRABALHO PROJETUAL NESTE CAMPO

2013

                       APLICAÇÃO DE MÉTODO EXPLORATÓRIO PARA MAPEAR O CONJUNTO DE POSSIBILIDADES NESTA INTERSECÇÃO ENTRE MODA E TECNOLOGIA, E MÉTODO EXPERIMENTAL PARA ENTENDER OS MEANDROS E PROCESSOS ENVOLVIDOS NO PROJETO DESTES ARTEFATOS

RESULTADOS ESPERADOS: UMA METODOLOGIA CAPAZ DE INTEGRAR PROJETOS DESENVOLVIDOS EM CURSOS DISTINTOS

2014

                       DESINTERESSE DO CURSO DE MODA NO APROVEITAMENTO DA PESQUISA. DESLOCAMENTO DO FOCO NA ÁREA DE WEARABLES PARA TODOS OS TIPOS DE ARTEFATOS INTELIGENTES (IOT); COLABORAÇÃO COM DISCIPLINAS DE COMPUTAÇÃO FÍSICA.

CONTINUIDADE DO MÉTODO E DOS OBJETIVOS DA PESQUISA, CONTRIBUÍNDO COM CURSOS DE COMPUTAÇÃO NO LUGAR DOS CURSOS DE MODA

2015-2017

                       DIÁSPORA DOS PESQUISADORES, DESMONTE DOS CURSOS E DA PESQUISA, E REFORMULAÇÃO DO LABORATÓRIO (UNIVERSIDADES PRIVADAS).

IDENTIFICAÇÃO DE UM ÚNICO GRUPO DE ARTEFATOS DENTRE O AMPLO ESPECTRO DA COMPUTAÇÃO FÍSICA ONDE SERIA POSSÍVEL ESTABELECER INTERLOCUÇÃO COM AS DEMAIS PESQUISAS EM DESENVOLVIMENTO NO LABORATÓRIO PARA UM ESFORÇO COLABORATIVO

2015-2017

                       MUDANÇAS NO OBJETO, NOS OBJETIVOS E NO MÉTODO DA PESQUISA. ENFOQUE NA COMPUTAÇÃO CRIATIVA, FRENTE DA COMPUTAÇÃO DESTINADA À ARTE OU ORIENTADA PELA POÉTICA. O MÉTODO INCORPOROU PESQUISA COM FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA ESTÉTICA E EXPRESSÃO, E DA COMPUTAÇÃO COMO FORMA DE MÍDIA. PERMANECEU A EXPERIMENTAÇÃO COMO FORMA DE OBTER DADOS SOBRE ESTA MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA

OS RESULTADOS ESPERADOS PASSARAM A SER A IDENTIFICAÇÃO DE PROCESSOS E CAMINHOS ÚTEIS PARA A CONSTRUÇÃO DE ARTEFATOS POÉTICOS ATRAVÉS DA COMPUTAÇÃO.  

                       PRIMEIRO BIÊNIO DA PESQUISA EM ESTÉTICA DA INTERAÇÃO. O APROFUNDAMENTO DAS QUESTÕES ESTUDADAS ANTERIORMENTE DENTRO DA COMPUTAÇÃO CRIATIVA LEVARAM À IDENTIFICAÇÃO DE UM CONCEITO ESPECÍFICO A SER DESTRINCHADO: O PAPEL DA EMOÇÃO (DOS ASPECTOS SIMBÓLICOS-AFETIVOS) NA CONFIGURAÇÃO DOS ARTEFATOS (POÉTICOS OU NÃO).

OBJETOS E MÉTODOS

Bibliografia

1

REFERÊNCIAS

2017, PROF. DR. GUILHERME RANOYA

©

Metodologia PPGDesign

By Guilherme Ranoya

Metodologia PPGDesign

Slides de apresentação sobre metodologia para o PPGDesign / UFPE

  • 50
Loading comments...

More from Guilherme Ranoya